DO DIREITO A PERCEPÇÃO DOS ADICIONAIS DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE

Seguradora não pode recusar contratação à vista só porque cliente tem nome sujo
16 de janeiro de 2019
STJ Decide que Permuta de Imóveis não deve ser Tributada.
18 de janeiro de 2019
Exibir tudo

Todo empregado que labora sob a exposição de agentes insalubres (nocivos à saúde) de forma habitual e permanente, tem assegurado o direito de receber o adicional de insalubridade, que deverá ser fixado de acordo com o seu grau de intensidade e exposição.
Visando a proteção do trabalhador, o MTE criou a NR 15 e seus anexos, que regulamentam as atividades ou operações consideradas insalubres, fixando limites de tolerância diferenciados para cada agente insalubre.
Em caso de não haver esse direito reconhecido pelo empregador durante o contrato de trabalho, e haja a necessidade de entrar com demanda judicial, é realizada perícia no local onde o trabalhador exerce suas atividades, com a emissão de laudo que atestará as condições de trabalho. O percentual do adicional pode variar entre 10, 20 ou 40%, sobre o salário mínimo.
Existem duas formas de cessar o pagamento do adicional de insalubridade: a conservação do ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância, e o fornecimento de equipamentos de segurança e proteção individual (EPI), que, da mesma forma, diminuam a intensidade do agente agressivo a limites de tolerância.
Nesse sentido, a súmula 80 do TST é incisiva quanto à exclusão do pagamento do adicional de insalubridade nos casos em que o EPI fornecido pelo empregador seja capaz de eliminá-la por completo.
Porém, ainda que forneça o equipamento de proteção individual para neutralizar ou eliminar a insalubridade do ambiente, o empregador tem a obrigação de fiscalizar o seu uso efetivo pelos trabalhadores, sob pena de arcar com o pagamento do adicional referido.
Por outro lado, faz jus ao adicional de periculosidade o trabalhador que, em função das suas atividades laborais, estiver exposto a risco de vida, como por exemplo, pelo uso de explosivos, inflamáveis, substâncias radioativas ou ionizantes, atividades de segurança pessoal e patrimonial que exponham o empregado a roubos, etc (NR 16 do MTE).
Neste caso, é irrelevante se o contato do obreiro com os denominados agentes perigosos se dá de forma permanente, bastando não ser de forma eventual e, ainda que habitual, por tempo extremamente reduzido. Isso porque o trabalho em situação de risco configura perigo iminente e imprevisível, pois o sinistro pode ocorrer a qualquer momento, bastando um segundo para que o empregado tenha sua vida ceifada, ou permanente invalidez.
Tal quanto a insalubridade, é igualmente necessária a realização de perícia no local de trabalho, sendo o adicional de 30%, tendo como base de cálculo o salário-base do empregado.
Frisa-se, por fim, que não há até o momento previsão legal que autorize a cumulação dos dois adicionais supracitados, sendo possível que o trabalhador escolha o que lhe for mais benéfico, no caso de estar exposto tanto a agentes insalubres quanto perigosos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Contato