Importância da assessoria jurídica preventiva para o seu negócio

STF declara inconstitucional lei municipal que prevê regime diferenciado de tributação de imposto sobre serviço (ISS) para escritórios de advocacia.
4 de maio de 2019
Violência física contra mulher – Provavelmente vai acontecer de novo
7 de maio de 2019
Exibir tudo

Infelizmente ainda no Brasil, empresários e empreendedores, apenas consultam ou contratam uma assessoria jurídica, quando já possuam algum tipo de conflito, processo administrativo ou judicial e, não de forma preventiva, tendo em vista que a grande maioria acredita que a assessória jurídica, é algo caro e ineficaz para o seu negócio.

No entanto, ao contrário desse entendimento, este artigo irá demonstrar que a assessoria jurídica, prestada de forma continuada, economiza dinheiro, tempo, fornece segurança ao seu negócio, evita demandas judiciais e ajuda no crescimento da empresa.

 

O que é uma assessoria jurídica preventiva?

 

Assessoria jurídica é a prestação de serviços por um advogado ou escritório de advocacia, de forma habitual e permanente, onde o profissional acompanha o dia-a-dia da empresa.

O acompanhamento serve para identificar erros, mitigar possíveis ações judiciais, prevenir riscos financeiros e fornecer orientações constantes ao empresário.

O ideal é que a empresa possua a assessoria desde sua constituição, justamente para orientar qual a melhor estrutura empresária para o negócio a ser estabelecido.

 

Assessoria jurídica para startups

 

As startups nascem de ideias onde as partes envolvidas, na sua maioria, não possuem recursos financeiros e não sabem ainda qual será o modelo de negócio aplicado. Sendo assim, é fundamental o assessoramento jurídico preventivo, para que a ideia que está sendo construída e a futura empresa, atue de forma segura, deliberando qual será o enquadramento societário e a viabilidade do modelo de negócio, sendo a análise feita de forma estratégica com respaldo jurídico.

É muito comum, que os empreendedores, no início, estejam apenas preocupados e focados na viabilização do negócio e acabem esquecendo ou pulando etapas importantes para a organização societária.

O primeiro documento, fundamental para o início de um negócio e para evitar a “morte” de uma startup, é o memorando de entendimento entre os sócios e depois o acordo de sócios.

O memorando de entendimento, é realizado antes da constituição de fato da empresa, ou seja, não se confunde com o contrato social que é aquele conhecido como “certidão de nascimento” da empresa, sendo registrado na Junta Comercial ou no Cartório de Registro Civil das Pessoas Jurídicas.

No memorando, as partes irão fixar as diretrizes do futuro negócio, regulando os principais assuntos, como, por exemplo, confidencialidade, participação de cada colaborador ou idealizador no negócio a ser construído, definição sobre a quem pertence à propriedade intelectual que será desenvolvida durante o projeto, previsão de multa ou indenização em caso de desistência do negócio ou quebra de alguma das regras previstas no documento.

Já o acordo de sócios irá estabelecer, por exemplo, quais as responsabilidades e atribuições de cada um dos fundadores/sócios, como se dará a administração da sociedade, como será a distribuição de eventuais lucros, inserção de cláusulas que impeçam a concorrência e o aliciamento de empregados, entre outras.

Desta forma, a assessoria de um advogado antes, durante e depois de estabelecer o negócio jurídico, é importante para resguardar o empreendimento de riscos desnecessários.

 

Problemáticas que sua empresa pode ter, sem uma assessoria jurídica:

 

  • Ao não realizar a adequada constituição societária e acordo entre sócios, poderão ocorrer diversos conflitos no que tange a manutenção do negócio, decisões, divisão de lucros, investimento, possível saída de um dos sócio e administração da empresa.
  • Não realizar o devido enquadramento de quem são os sócios e quem é o administrador, bem como, as responsabilidades e obrigações de cada um.
  • Não ter o perfil de sócios ou colaboradores adequados para o negócio.
  • Não fazer uma análise tributária e verificar qual é o enquadramento da empresa, ocasionando pagamentos indevidos ou maiores de impostos.
  • Não registrar a propriedade intelectual da inovação. Seja uma marca, seja um software.
  • Realizar sem necessidade, a contratação de um funcionário que pode significar um peso adicional no orçamento e um passivo de risco jurídico.

 

Assim, a atuação do advogado no meio empresarial envolve diversos setores da empresa, como a indicação da estrutura jurídica adequada ao empreendimento, orientação sobre a legislação trabalhista, acompanhamento na celebração dos contratos, orientação nas questões tributárias e planejamento fiscal.

 

Diversos são os benefícios proporcionados pela advocacia preventiva em empresas, entre eles:

 

  • Assessoria na elaboração e análise de contratos;
  • Adequação às normas trabalhistas e tributárias;
  • Auxílio na negociação com fornecedores e credores;
  • Auxílio na cobrança de títulos;
  • Concentração do empresário em sua atividade, delegando a burocracia para o jurídico;
  • Identificação de riscos e novos benefícios legais que estrategicamente, possam potencializar os resultados do negócio;
  • Redução de riscos jurídicos;
  • Redução de custos;
  • Pareceres;
  • Prevenção de demandas judicias;
  • Planejamentos jurídicos estratégicos.

 

Ante todo o exposto, resta claro que a assessoria jurídica, de fato, é de extrema importância para a minimização de custos e problemas, além de ser um valoroso diferencial competitivo, em virtude das informações e planejamento oferecidos, minimizando surpresas e evitando o comprometimento financeiro da empresa.

Luessa de Simas Santos
Luessa de Simas Santos
Pós-graduada em Direito Processual Civil, com ênfase no novo projeto do Código de Processo Civil (CPC), pelo Complexo de Ensino Superior de Santa Catarina (CESUSC).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Contato