Incubadoras e Aceleradoras: Qual a diferença?

RFB vai inserir nomes e CPFs de Contribuintes Citados em Representações Fiscais para Fins Penais.
30 de novembro de 2018
Aceleradoras.
4 de dezembro de 2018
Exibir tudo

Apesar das aceleradoras e incubadoras auxiliarem no crescimento e desenvolvimento de empresas e startups, elas possuem algumas características diferentes. Não há como afirmar que um modelo é melhor que o outro, mas sim, que existe o mais adequado para a sua empresa e a fase que ela se encontra. Confira algumas diferenças:

 

1 – As incubadoras ajudam empreendedores que estão em um estágio inicial de ideação. Já as aceleradores, normalmente, atuam no desenvolvimento de statups que já possuem um produto ou serviço viável. Ou seja, que já estão em processo de crescimento ou validação.

 

2 – Nas incubadoras o objetivo principal é aprender, amadurecer e validar. Nas aceleradoras o foco é a administração do negócio, desenvolvimento gerencial da empresa, preparação para recebimento de investimentos e aproximação com clientes e investidores.

 

3 – As aceleradoras, conforme critérios de avaliação definidos por cada uma, escolhem startups escaláveis, que possuem rápido potencial de crescimento. A incubadora, geralmente, vai apoiar empresas conforme diretiva regional ou governamental.

 

4 – O capital das aceleradoras é privado, elas são lideradas por empreendedores ou investidores com grande experiência de mercado, assim, não é necessário apresentar um plano de negócios formal, como nas incubadoras, pois nesta geralmente a verba é pública.

 

5 – As incubadoras oferecem assessoria contábil, jurídica, empresarial e financeira para que a empresa possa se desenvolver. As aceleradoras oferecem apoio financeiro, consultoria, treinamento e participação em eventos, como também sessões de mentoring, que são conversas e palestras entre mentor e empreendedor.

 

Marina Andrade
Marina Andrade
Graduada em Direito pelo Complexo de Ensino Superior de Santa Catarina (CESUSC). Cursando Pós-Graduação em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de Direito Tributário (IBET).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Contato