O empregado que receber a Gratificação Natalina (13º Salário) em acordos, pagará imposto?

Série: Reforma Tributária – Video 2
24 de setembro de 2019
Lei de Proteção de Dados, sua empresa está preparada?
1 de outubro de 2019
Exibir tudo

Com a sanção da Lei Federal nº 13.876, em 20 de setembro de 2019, foram incluídos novos parágrafos ao artigo 832 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), impondo-se a incidência de impostos e outros tributos, sobre valores recebidos por trabalhadores em acordos na trabalhistas judiciais ou extrajudiciais (amigáveis).

 

A lei considera que valores percebidos pelo trabalhador, que nem sempre figuram como de caráter indenizatório, devem ser submetidos à tributação. Assim, se existirem verbas de natureza remuneratória, como as decorrentes de férias, gratificações natalinas (13º salário) e horas extras, haverá incidência de tributos.

 

Entenda que, essas verbas trabalhistas se tivessem sido regularmente pagas pelo empregador à época devida, compreenderiam o salário de contribuição, ou seja, integrariam a base de cálculo de apuração de tributos, para recolhimento, por exemplo, do Imposto de Renda Retido na Fonte, das contribuições previdenciárias e do FGTS.

 

Para os casos de acordo trabalhista cujo objeto refira-se exclusivamente a verbas de natureza indenizatória, permanecem afastados da incidência de tributos.

 

Segundo a lei, a parcela referente à verba de natureza remuneratória, a qual sujeita-se à incidência tributária, não poderá ter como base de cálculo valor mensal inferior ao salário mínimo ou do piso da categoria do trabalhador.

 

Igualmente, para o cálculo dos tributos não poderá ser tomado por base valores menores que a diferença entre o valor devido pelo empregador e o efetivamente já pago ao trabalhador.

 

Importa mencionar que a CLT, com a redação dada pela Lei 13.876/2000, já previa que deveria ser indicada a natureza jurídica das parcelas constantes na condenação ou no acordo homologado, inclusive, para apuração da contribuição previdenciária.

 

A saber, enquanto Projeto de Lei n.º 2.999/2019,  segundo a justificativa apresentada na proposta emenda ao texto original do projeto, de acordo com a Senadora Soraya Thronicke, embora o §3º do art. 832 da CLT determine a discriminação da natureza jurídica das parcelas remuneratória, na prática conciliatória há a atribuição de natureza indenizatória da maior parte das verbas, mesmo sobre as tipicamente remuneratórias, o que resulta na impossibilidade de arrecadação de imposto de renda e contribuição previdenciária.

 

Destaca a Senadora ao considerar que foram pagos em 2018 o valor de R$ 13 bilhões na Justiça do Trabalho a título de acordos judiciais, estima-se que 50% dessas verbas foram discriminadas como de natureza indenizatória, mesmo que na realidade possuíam natureza remuneratória, deixando-se de incidir impostos sobre R$ 6,5 bilhões, referindo-se ao imposto de renda e as contribuições sociais. Afirma que alteração proposta tem potencial de gerar receita adicional de R$ 1,95 bilhão por ano, o que representa aumento de receita em R$ 19,5 bilhões em 10 anos.

 

Verifica-se que alteração na legislação trabalhista converge para o aumento da arrecadação, especialmente à previdenciária, pois a partir de então, impede-se a prática de se considerar que todo acordo que tenha por objeto verbas trabalhistas seja considerado de natureza indenizatória, consequentemente, não terá afastada a incidência de tributos.

 

Fontes: Portais Eletrônicos do Senado Federal, Câmara dos Deputados e Planalto.

Karen Sigounas Vieira
Karen Sigounas Vieira
Pós-graduada em Direito Tributário, pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários (IBET), e pós-graduada em Gestão Pública, pelo Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), graduanda do Curso de Ciências Contábeis, no Centro Universitário Municipal de São José, Santa Catarina (USJ).

Deixe uma resposta

Contato