Princípio da Primazia da Realidade: entenda por que as empresas são condenadas em valores altos na Justiça do Trabalho
18 de agosto de 2020
Entenda os benefícios de instituir um programa de Compliance na Empresa
19 de agosto de 2020
Exibir tudo

De acordo com a recentíssima decisão do Supremo Tribunal Federal foi fixada a seguinte tese: “É inconstitucional a incidência de contribuição previdenciária a cargo do empregador sobre o salário-maternidade.”

 

A decisão proferida na sessão virtual em 04 de agosto passado, nos autos do Recurso Extraordinário 576967, com Repercussão Geral reconhecida pelo Tema 72 que serve de parâmetro para a resolução de, pelo menos, 6.970 processos semelhantes, declarou ser inconstitucional a cobrança da contribuição previdenciária patronal sobre o salário- maternidade, prevista na Lei Orgânica da Seguridade Social n.º 8.212/1991.

 

Prevaleceu na Corte o entendimento de que a Constituição Federal e a Lei n.º 8.212/1991 prevêem como base de cálculo da contribuição previdenciária os valores pagos como contraprestação a trabalho ou serviço prestado ao empregador, contudo, considerando que na licença-maternidade a trabalhadora se afasta de suas atividades e deixa de prestar serviços e de receber salários do empregador, o benefício não compõe a base de cálculo da contribuição social sobre a folha salarial.

 

 

Ressaltou o relator do Recurso Extraordinário, o ministro Luís Roberto Barroso que o “O simples fato de que a mulher continua a constar formalmente na folha de salários decorre da manutenção do vínculo trabalhista e não impõe natureza salarial ao benefício por ela recebido”. E mais, afirmou, “Impõe-se gravame terrível sobre o gênero feminino, discriminado na contratação, bem como sobre a própria maternidade, o que fere os direitos das mulheres, dimensão inequívoca dos direitos humanos”, afirmou

 

.

A criação de outras fontes destinadas a garantir à manutenção ou a expansão da seguridade social exige a edição de lei complementar, e no caso a Lei 8.212/1991 se trata de uma ordinária.

 

 

Diante dessa decisão jurídica pela inconstitucionalidade, via direta, há reconhecimento de benefício às empresas, eis que não deve incidir a contribuição previdenciária, cota patronal, sobre o salário-maternidade, ao passo que a retirada do que até então era entendido pela União como uma obrigação tributária da empresa perante a seguridade social, permite, caso o empregador tenha feito recolhimentos indevidos, atentar para a possibilidade de revê-los mediante RESTITUIÇÃO.

 

 

Fonte: Portal Eletrônico Supremo Tribunal Federal

#gdr #noticiatributaria #seguridadesocial #inss #cotapatronal #empresas #empregador #empregados #contribuicaoprevidenciaria #contribuicaoinss #direitotributario #compensacao #basedecalculo #supremotribunafederal #stf #salariomaternidade #maternidade #emprego #mulheres

Gouvêa dos Reis - Advogados
Gouvêa dos Reis - Advogados
A Rede Gouvêa dos Reis Advogados objetiva proporcionar segurança e soluções a seus clientes, desde 1967.

Deixe uma resposta

Contato