Marco Legal das Starutps é aprovado no Senado: o que isso significa na prática?
25 de fevereiro de 2021
Você sabia que pode ter que pagar aluguel por permanecer em imóvel do casal, após o divórcio?
2 de março de 2021
Exibir tudo

O Supremo Tribunal Federal na sessão de julgamento realizada no dia 18 de novembro de 2021, como árbitro e juiz do ringue, decidiu que os softwares serão tributados apenas pelo Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza – ISS, tributo de competência dos municípios brasileiros, cuja alíquota é bem menor, se comparada as alíquotas o ICMS, imposto estadual, podendo alcançar no máximo de 5% (cinco por cento) a depender das leis municipais.

Nessa decisão houve a nítida alteração de jurisprudência pacificada, que diferenciava os softwares de “prateleiras” (vendidos em suporte físico ou padronizados para downloads), dos softwares customizados pata atender o tomador de serviço, que seriam personalizados de acordo com a solicitação da empresa,

Desde modo, e todos os modelos softwares (com ou sem suporte físico, disponibilizados na nuvem, por download e SaaS) passam a ser tributados pelo ISS, restando consolidado o entendimento que afasta a cobrança do ICMS, tanto para os softwares padronizados quanto para aqueles produzidos por encomenda.

De acordo com o Ministro Dias Toffoli, na licença de software não há transferência da propriedade do software (circulação de mercadoria), o que, sem dúvida, afasta a incidência do ICMS, e, no caso do software as a service (SaaS), além do serviço de Licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computação, poderia ficar caracterizada a prestação de outros serviços sujeitos ao ISS, como o armazenamento em nuvem.

Como se trata de tema em sede de repercussão geral, as decisões para os  demais processos em tramitação, que envolvam a mesma matéria,  deverão observar as diretrizes da Corte suprema. 

Fonte: Portal do STF – (ADI 5659 e ADI 1945)

Karen Sigounas Vieira
Karen Sigounas Vieira
Pós-graduada em Direito Tributário, pelo Instituto Brasileiro de Estudos Tributários (IBET), e pós-graduada em Gestão Pública, pelo Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), graduanda do Curso de Ciências Contábeis, no Centro Universitário Municipal de São José, Santa Catarina (USJ).

Deixe uma resposta

Contato