Justiça reduz pensão alimentícia devida por trabalhador demitido por conta da pandemia (Covid-19)

Decreto nº 10.422/2020: o Decreto que prorroga o Benefício Emergencial
20 de julho de 2020
Banco de Horas: O que é? Para quem serve? Como formalizar?
22 de julho de 2020
Exibir tudo

A juíza Lívia Francio Rocha Cobalchini, titular da Vara da Família, Infância e Juventude da comarca de Caçador, no Meio-Oeste de Santa Catarina, deferiu em parte pedido de um homem para reduzir o valor da pensão paga ao filho, provisoriamente fixado em 30% do salário mínimo. Como foi demitido do emprego por conta da crise econômica em razão da pandemia provocada pelo coronavírus, ele solicitou a redução para 20%.

 

No início do mês de julho, a magistrada decidiu minorar os alimentos devidos para 22% do salário mínimo vigente. “Nesse período, diante das incertezas da recuperação da economia, não se olvida das dificuldades de sua recolocação no mercado de trabalho”, pontua a juíza na decisão.

 

Além disso, o homem comunicou que possui outros três filhos e mantém a família com o que recebe atualmente numa colocação informal no mercado de trabalho. “Deve ser observado o princípio da igualdade entre os filhos, de modo que os alimentos não devem onerar um em detrimento do outro”.

 

O processo tramita em segredo de justiça.

 

Fonte: Tribunal de Justiça de Santa Catarina

 

#PensãoAlimentícia #Pensão #Covid19 #CoronaVírus #Família #Revisão #Direito #Processo #GDR #SC #Florianópolis #Decisão

Gouvêa dos Reis - Advogados
Gouvêa dos Reis - Advogados
A Rede Gouvêa dos Reis Advogados objetiva proporcionar segurança e soluções a seus clientes, desde 1967.

Deixe uma resposta

Contato