Balanço Patrimonial: Como planejar o fim do ano?

Uso exclusivo do imóvel deve ser provado para partilha de aluguel, diz STJ
20 de outubro de 2017
Participação nos lucros não se incorpora diretamente à pensão alimentícia
29 de novembro de 2017
Exibir tudo

Se você é empresário ou simplesmente quer organizar as finanças pessoais, entenda como planejar o fechamento do ano, estruturar suas dívidas e iniciar 2018 com as contas em dia.

Saiba mais a respeito na publicação de hoje!

  1. Por que organizar as dívidas?

Com a economia ainda em recessão, em alta, os brasileiros traçam passos na busca pela regularização das suas dívidas. Contudo, muitas vezes não levam em conta a necessidade de planejar, organizar os débitos, assim como se faz com as receitas, como por exemplo, o montante a ser pago num parcelamento, já que muitas vezes não se calcula o tempo que o parcelamento perdurará, mas sim, apenas o valor da parcela.

Diante deste cenário, fica muito fácil entrar em dívidas, assumir parcelamento de débito tributários, por exemplo, tornando-se difícil até mesmo inviável sair da mesma.

  1. De que forma a dívida do país interfere nos meus débitos pessoais.

Em tempos de ajuste fiscal para equilibrar as contas do governo, o valor da dívida ativa da União impressiona, tendo chegado a R$ 1,58 trilhão em dezembro de 2016, a dívida supera a arrecadação de 2015, que foi R$ 1,274 trilhão, número atualizado pela inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Por esta razão, a recuperação desse montante é lenta, e isso influencia na decisão pelo governo de oferecer aos contribuintes parcelamentos para que regularizarem seus débitos tributários.

Além disso, este fator também influencia a decisão de aumentar ou manter ou diminuir a carga tributária, uma vez que ao reduzir algum tributo, ou permitir o parcelamento de dívidas pelo contribuinte, o Governo necessita equilibrar a concessão destes parcelamentos, como é o caso dos Refis.

MAS ENTÃO, COMO ME RECUPERAR DAS MINHAS DÍVIDAS?

Planejar o fechamento do ano significa organizar não só os créditos e receitas a receber, mas também prever as dívidas parceladas e as registradas em dívida fiscal, por exemplo.

É necessário desenvolver um balanço patrimonial mesmo que estejamos falando em um orçamento familiar, pois o patrimônio consiste em débitos e créditos, e não apenas bens, como imóveis.

Diante disso, seguir algumas dicas básicas são suficientes para que possamos organizar as contas, e, quando necessário importante também procurar um profissional especializado que desenvolva um adequado planejamento, como o planejamento tributário, tão relevante para garantir a manutenção de um negócio e até mesmo o seu crescimento constante.

Atente-se as nossas dicas, e saiba como desenvolver este planejamento adequado ao seu perfil, sendo pessoa física ou jurídica.

Gouvêa dos Reis - Advogados
Gouvêa dos Reis - Advogados
A Rede Gouvêa dos Reis Advogados objetiva proporcionar segurança e soluções a seus clientes, desde 1967.

Os comentários estão encerrados.

Contato